La Tartine Bistrot

interior-la-tartine-por-renata-araujo

Interior do bistrot. Foto de Renata Araújo

Fechei o ano de 2016 com estilo nos meus pulinhos em restaurantes com o La Tartine.

Eu ainda não conhecia o modesto e detalhista bistrot que é um dos mais badalados quanto o assunto for jantar romântico à moda francesa.

Não há luxo, ou seja, o ambiente remete a cultura e originalidade dos bistrôs. A decoração é inteirinha dedicada à França… há quadros de pessoas famosas francesas, adornos de torre eiffel e tudo o mais. Tudo bem vintage.

Há, ainda, o diferencial de ser servido não somente vinhos em garrafa, mas também em taça (numa média de R$ 18,90); uma ótima opção para quem deseja apenas brindar ou bebericar sem ter de entornar a garrafa ou impor sutilmente ao acompanhante que beba o mesmo.

O menu é enxuto, sem aquelas iguarias como escargots ou foie gras.

Para começar, é óbvio que há variados recheios de tartines.

Para incrementar a entrada, há tentadoras quiches. Pelo que vi, é o suprassumo da casa.

20161230_220048E não é para tanto… Tratei logo de pedir a aclamada e tão pedida quiche de queijo de cabra (R$ 36,00).

Há também outras conhecidas no mundo quiche, como a lorraine e de alho poró.

Todas as quiches possuem um tamanho e forma equivalente a um pedaço de pizza e acompanham salada de alface e rúcula levemente batizada com mostarda dijón e nozes.

Não sei se vocês sabem, mas eu costumo manter considerável distância de mostarda, mas esta é suave, uma delícia!

Gente, podem ir sem medo que não passarão fome por porções minúsculas, pois os pratos são bem servidos. Não para dividir, obviamente, mas agrada bem a satisfatividade.

Eu gostaria muito que o La Tartine também pudesse abrir para os almoços também. Com certeza iria mais vezes.

É porque eu não sou muito de jantar. Infelizmente a faculdade extirpou este hábito de mim e, mesmo depois de muito tempo eu não consigo retomar.

Mas voltando ao que interessa, eu me deliciei tanto com a quiche que nem pedi o prato principal que também é autêntico francês, todavia sem maiores opções.

Além de vinhos, há outras opções de bebidas, incluindo cocktails. Eu fiquei na Schweppes Citrus mesmo, com bastante gelo porque o calor anda tenebroso aqui em Sampa.

Então, para compensar… Formiga que eu sou… Quebrei o protocolo e pedi duas 20161230_230525sobremesas, com a desculpa de ser minha primeira vez no La Tartine kkkkkkkkkkk.

Não pude deixar de pedir o também famigerado profiteroles com sabor acentuado de chocolate meio amargo, caprichado no sorvete de creme e de massa bem macia e levemente porosa (R$ 18,00).

Os garçons também são atenciosos e ficaram contentes de saber que meu paladar era iniciante por lá rsrsrs. Ajudaram a confirmar os pratos mais pedidos, bem como os melhores horários para se chegar, pois o local é disputado, viu leitores.

A segunda escolha ficou por conta do mille feuille de frutas vermelhas com o pontual creme patisserie (R$ 18,00). O folhado e bem fino crocante e se divide em mais folhas ainda ao mordiscar.

Então, para você que quer impressionar com um jantar romântico a dois, aconchegante e modesto, então aposte no La Tartine.

Eu marquei presença com meu namorido.

Onde fica: R. Fernando de Albuquerque, 267 – Consolação, São Paulo – SP, 01309-030. Tel.: (11) 3259-2090.

Funciona de Segunda a Sábado, das 19:30 até 00:00.

E para complementar o post, coloco as duas músicas de Brigitte Bardot que mais gosto:

AU REVOIR!

Anúncios