The Rolling Stones – um espetáculo à parte e o Rock nunca morre

Se a qualidade de músicas e músicos são questionadas, o The Rolling Stones permanece na ativa com todos os bons créditos para provar que qualidade do bom e velho Rock and Roll remanesce e revigora a todos.

Afinal, quem nunca curtiu ou mesmo conhece (I Can’t Get No) Satisfaction ou mesmo Start Me Up?

Pois bem. Enquanto muitos artistas lucram com exuberância para atrair atenção ao espetáculo em si a que a falta de capacidade para cantar, sempre contando com os seus “abençoados” playbacks, os praticamente setentões (somente o guitarrista Ron Wood se encontra na casa dos 60) do Rock Clássico provam que idade não interfere na qualidade e vontade de prosseguir com uma carreira de invejar muitos outros grupos de rock e heavy metal, inclusive.

Isso sem considerar o fato das desavenças entre Mick Jagger e Keith Richards não interferirem no profissionalismo do grupo britânico fundado em 1962, com seus quase 30 álbuns só de estúdio e consideráveis turnês, estando entre as mais famosas: Voodoo Lounge Tour, Bridges To Babylon Tour, Licks Tour, A Bigger Bang Tour, 14 on Fire Tour e a mais recente Olé Tour, esta última presente na América Latina.

A vívida e ensaiada presença de palco nesta atual turnê é com certeza mais um marco de orgulho pelo qual a banda precisava registrar: um espetáculo gratuito para uma população em Cuba, ansiosa pela recepção de cultura e relações internacionais, principalmente após a retomada das relações diplomáticas com os E.U.A.

Aliás, shows gratuitos do The Rolling Stones não são demagogos como muitos possam pensar, principalmente considerando não ser esta a primeira vez que fazem este tipo de ação.

Enfim, o resultado é que atraíram meio milhões de ouvintes num país ainda bem “fechado” ao mundo capitalista que vivemos.

Ou seja, o rock é tão popular e instigante como qualquer outro gênero musical que lhe venha à cabeça.

Por isso, farei aqui minha seleção de músicas que mais gosto do requinte musical sonoro encabeçado pelos integrantes Mick Jagger, Keith Richards, Ron Wood e Charlie Watts, com um respaldo de outros valorosos músicos, incluindo de seleto backing vocal e das origens do Blues nunca desarreigado pelo grupo:

Anybody seen my baby

Anybody seen her around

If I just close my eyes

I reach out

And touch the prize

Anybody seen her around

 

Lost, lost and never found

I must have called her

A thousand times

Sometimes I think

She’s just in my imagination

Alguém viu minha garota

Alguém a viu por aí

Se eu fechar meus olhos

Eu alcanço

E toco o prêmio

Alguém a viu por aí

 

Perdida, perdida e jamais encontrada

Eu devo ter chamado por ela

Milhares de vezes

Às vezes eu acho que ela

Está só na minha imaginação

Love is strong

And you’re so sweet

You make me hard

You make me weak

Love is strong

And you’re so sweet

And some day, babe

We got to meet

 

A glimpse of you

Was all it took

A stranger’s glance

It got me hooked

And I followed you

Across the stars

I looked for you

In seedy bars

O amor é forte

E você é tão doce

Você me deixa duro

Você me deixa fraco

O amor é forte

E você é tão doce

E algum dia, amor

Temos de nos conhecer

 

Um vislumbre de você

Foi o bastante

O olhar de um estranho

Que me fisgou

E eu te segui

Através das estrelas

Eu te procurei

Em bares sujos

Wild horses couldn’t drag me away

Is funny how things go around

Is crazy

But it’s true

 

This place is empty

Oh so empty

Is empty without you

É engraçado como as coisas mudam

É loucura

Mas é verdade

 

Este lugar está vazio

Tão vazio

Está vazio sem você

Isso sem contar nas inúmeras participações especiais. The Rolling Stones sempre privilegiou abrir espaço para tantos outros artistas:

Anúncios