A vaca foi pro brejo… Então, no Brasil isso é um pouco diferente. Nada que não possa piorar

O termo que conhecemos é este do título, mas nesta semana presenciamos mais uma patacoada tipicamente brasileira (escuto até aquele som de cuíca de presepada).

Aqui, não é uma vaca que vai pro brejo, são vários bois naufragando e ate afogando por conta do péssimo serviço de atracação de embarcações que se verificou no Porto de Vila do Conde, em Barcacena – PA e, claro, sem qualquer fiscalização como tudo o que ocorre no Brasil.

De que adiantam leis, cartilha de orientação, arrecadações e tudo o mais se não há quem honestamente fiscalize dia após dia, sem qualquer tentativa de suborno?

Esse fato somente denuncia e escancara ainda mais nosso primitivo sistema portuário, que agora será mais e mais engolido com a formação da Parceria Trans-Pacífica, Convenção de cunho econômico e comercial da área aduaneira que intensificará compra e venda de mercadorias (principalmente agrícola), tendo como membros: EUA, Japão, Austrália, Brunei, Cingapura, Vietnã, Malásia, Nova Zelândia, Canadá, México, Peru e Chile.

Aliás, muitos países concorrem como os nossos produtos, o que não é nada difícil se considerarmos que exportamos basicamente matéria-prima, por sermos incapazes de trabalhar de forma arrojada e atraente com o que produzimos a ponto de entregar gama de mercadorias já industrializadas.

Um dos maiores exemplos disso é que nossa base de exportação, e já não é de hoje, é a soja e laranja que, inclusive são extremamente perecíveis, tendo ainda de passar por uma via crucis de rodovias má conservadas, além dos altos pedágios.

E tudo isso sem levar em conta o embargo aduaneiro, de apreensão burocrática e meticulosa de mercadorias, principalmente nas importações, para fomentar a corrupção no anseio de ver seus produtos liberados, muitas vezes taxados com tributos indevidos e sem contar na guerra fiscal quanto ao ICMS.

Aí vem uma Presidente que não representa os interesses de toda uma nação e decide investir em Portos de outros países subdesenvolvidos, tal como Cuba, por exemplo (o termo “país em desenvolvimento” pra mim é balela). Isso sem considerar o financiamento de outras diversas obras. E adivinhem quem são as construtoras envolvidas? Aposto que vocês nunca devem ter ouvido falar…

Ahh mais até imagino… Agora que Cuba está se reaproximando com os EUA, não tardará para Cuba dar aquela volta no Brasil, tirando ainda mais o espaço daquele que sempre serve e nunca sai recompensado.

Enquanto isso, temos de depender até mesmo do que exportamos para a Venezuela, por exemplo, que está numa situação pior que a nossa. Bela rentabilidade, né.

Ahhh e para a mulherada de plantão, me parece que há novos produtos da The Body Shop chegando nas lojas da Body Store e, que por isso, algumas estão sofrendo reformas para recebimento destes produtos que, só não estão chegando mais rápido por estar parados na Anvisa, pelo processo de importação.

Parece que o Brasil, do jeito como vem sendo governado, quer mesmo ser figurante em termos gerais de desenvolvimento. Café com leite, peça retirada do tabuleiro, carta fora do baralho, jogo este que nos custa caro!!!!!

Mais em: http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Criacao/Boi/noticia/2015/10/navio-afunda-e-milhares-de-bois-morrem-afogados-no-para.html

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/10/06/navio-cargueiro-afunda-com-5000-bois-em-porto-do-para.htm

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/10/151005_acordo_comercial_jf_ab

http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2015/10/um-acordo-para-unir-paises-do-pacifico-e-estados-unidos.html

http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/o-porto-que-o-brasil-financiou-em-cuba-se-e-bom-por-que-e-secreto/

http://spotniks.com/20-obras-que-o-bndes-financiou-em-outros-paises/

http://www.folhapolitica.org/2014/01/dilma-investiu-15-vezes-mais-em-portos.html

Anúncios