Pátria educadora… Será?

Indignação, ou melhor, revolta é pouco para expressar o meu sentimento para com o rumo que está sendo decidido na educação brasileira. E creio que não sou andorinha solitária neste Solo com a mesma frustração. Quem dera se pudéssemos ter o poder de fazer verão por aqui. Estas andorinhas “canarinhas” estão de asas podadas, atordoadas sem sentir a direção correta, pois o vento que temos nos sopra ao lado oposto da evolução.

Se tivéssemos uma educação avançada, já nos seria o bastante para nos alegrar.

Ó Senhor, tende misericórdia por este povo que, embora conste nos papéis como laico, tem fé enraizada nos pobres corações de todos os tipos de religiões e esperança inesgotável, testada por nossos governantes e pela burrocracia (criada pela humanidade desgarrada da Natureza) dia após dia.

Se Darwin ainda fosse vivo, nos perguntaria sobre como conseguimos afrontar sua teoria já que, nós brasileiros, ainda não fomos extintos, mesmo sem acompanhar a evolução global.

Que herança ainda mais nos resta se apenas temos dificuldades e desgraças que poderiam ser deveras amenizadas se tivéssemos ensino de qualidade e abrangência cultural? Que preço ainda temos de pagar?

A maior patifaria que podia presenciar nestas últimas semanas foi o Governo Federal sabotar o ingresso de estudantes à efetivação de suas inscrições e deferimentos ao FIES (Programa de Financiamento Estudantil) para que pudessem cursar o ensino superior que também está longe de capacitar alguém e ainda orgulhar seus ascendentes que de longe não puderam desfrutar do mesmo sonho.

Como se já não bastasse os escândalos e mais escândalos de uma série de falhas e incompetências no ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), com regras do jogo mudadas a todo o tempo, o aluno tem de se submeter ao esquema de cortes financeiros na educação, principalmente ao financiamento das mensalidades de universidades que ainda terão de ser reembolsadas ao polpudo cofre federal quando o estudante exercer uma profissão mascarada e perceber que o ensino superior não é nem a metade da qualificação que vem sendo exigido no mercado de trabalho que lhe garanta sua sobrevivência, quiçá o pagamento de tudo aquilo que foi financiado. Isso se o aluno for contemplado pelo FIES.

Mas como foi o recado dado pela própria Excelentíssima Presidente Dilma à Sra. Economista, já qualificada e desempregada, durante o debate eleitoral promovido pela Globo no ano passado, é só se socorrer ao PRONATEC, através de cursos promovidos pelo SENAI.

A solução de tudo e qualquer coisa, segundo Dilma Rousseff, estão no raio do PRONATEC que, como se percebe na sigla, é destinada aos cursos técnicos, de curta duração e para quem está ou acabou de concluir o ensino médio, vulgo colegial e não para que avançou o ensino superior!!!!!!!!

São exemplos de cursos técnicos: criação e produção de animações e webgames, terapia intensiva, técnica de radialista, técnica de decoração, podologia, paisagismo, arte dramática, técnico de mecânica, técnico de refrigeração e climatização. O que isso tem de compatível com economia?????

E as ciências humanas? Vai me dizer que a grade curricular do curso de Direito, Filosofia, Letras, Ciências Políticas também estão abrangidas no PRONATEC… Quanta falácia eleitoreira. Tudo engodo.

E o PROUNI? Destinado para aquele estudante miserável mesmo…

É tudo PRO: PROcaria!

O que dizer de enaltecer a carreira de nossos professores? Ofício que antes era digno de pessoas bem estruturadas na vida. Antigamente as pessoas tinham orgulho de dizer que eram professores.

Hoje, além de não haver investimento em todo aspecto escolar, professores faltam quase sempre, com variados motivos e usufruindo de diversas licenças e ainda reivindicam reajustes salariais discrepantes de quaisquer outras profissões. Atualmente, o sindicato dos professores estaduais de São Paulo reivindica um reajuste de 75,33%. Quando que você, nobre trabalhador, já foi contemplado com um reajuste desta proporção? O máximo que eu tive foi de 8% e olhe lá.

É certo que professores precisam de um bom salário, mas tem de honrá-lo né. Infelizmente muitos conquistam este cargo apenas para se valer dos benefícios do funcionalismo público, para querer trabalhar pouco, distorcendo a essência e o valor de tal função.

Muitos aderem às constantes greves apenas para arruaça, sendo que quem realmente sai prejudicado é o aluno sem aula, sem conhecimento, sem conteúdo em dia, etc.

Percebam que as reivindicações sempre respaldam muito mais em reajustes salariais. Por que não reivindicam criação de mais escolas, de mais disciplinas curriculares, de mais programas de complementação estudantil, de melhoria no ambiente de trabalho, melhores refeições aos alunos?

Ahhhh mais aí meu favo está muito amargo…

Descrevo tudo isto por conhecimento de causa, pois sempre estudei em colégios públicos e sei muito bem (e infelizmente) o que ocorre…

Professores titulares faltam muito, a ponto de repetir a nota do bimestre anterior porque no período atual quase não houvera lições novas ou outros tipos de avaliações ou ainda porque deixam de considerar trabalhos já entregues.

Quando faltam, há os substitutos que não dão continuidade à aula, até porque lecionam em disciplina diversa e mal fazem a chamada… Somente ficam em sala de aula até o término do horário.

Há também a frequência de faltar professor e não existir substituto, nem mesmo para adiantar as aulas posteriores do dia, oportunidade em que os alunos são dispensados.

Os banheiros… Portas sem trincas, vasos sujos e sem tampas, descargas quebradas, paredes pichadas, sem papel…

Na Alemanha, professor quer dizer Lehrer, mas eles também fazem o uso da palavra Professor e sabe para quem? Para aquele que não é um simples professor, mas aquele catedrático, de título acadêmico elevado, honorável. É de se refletir e muito a situação da educação no Brasil.

Há de se ter inúmeros e contínuos investimentos, inclusive na segurança de alunos e professores, com policiamento ostensivo também.

Não adianta fingir que investe no curso superior se o ensino básico é e sempre foi rudimentar. Prova disso é que os ensinos de outros países, inclusive subdesenvolvidos e do mesmo continente, continuam avançando e nós regredindo, conforme o descumprimento de metas firmadas com a UNESCO:

Destaca-se que as poucas escolas públicas que mantinham bibliotecas, laboratórios até razoáveis já não funcionam mais há tempos.

Isso sem contar na divisão de escolas por séries, contribuindo à superlotação de alunos. Exemplo: um colégio que tinha 1º e 2º grau e mais o magistério, passou a matricular alunos da 1ª até a 4ª série do ensino fundamental e acabando com o magistério!

Ainda se implantou o sistema de aprovação automática, ou seja, o único ensino existente era o aprendizado do fingimento, do descaso e do não alcance de mérito, conhecimento e educação.

Tudo isso é muito conveniente à política: alunos de hoje se tornarão escravos do dinheiro sacrificado, serão pais e mães xucros, que ensinarão menos ainda às próximas gerações, que não terão inteligência voraz para entender as falcatruas dos políticos corruptos e nada cobrarão para melhoria do país.

Enfim, cortes orçamentários nas esferas federal, estadual e municipal destinadas à cultura e educação não falta.

A escola de música Tom Jobim, por exemplo, terá de ensinar melhor a marcha fúnebre para servir de trilha sonora à nossa educação, já que a escola também foi alvo de cortes financeiros estaduais na área musical, culminando na demissão de vários professores e restrição para ingresso de novos alunos. Mais em: http://cultura.estadao.com.br/noticias/musica,cortes-no-orcamento-estadual-em-sao-paulo-afetam-area-de-musica,1675735

De educadora nossa pátria não tem nada. Estou para ver slogan mais mentiroso que este:

Alguém tirou dez? E como estão agora? Então o tio Gabriel, o Pensador te explica na música Estudo Errado, com alguns grifos meus:

– Atenção pra chamada! Aderbal?
– Presente!
– Aninha?
– Eu!
– Breno? Carol?
– Presente!
– Douglas?
– Alô!
– Fernandinha?
– Tô aqui.
– Geraldo?
– Eu!
– Itamarzinho?
– Faltou.
– Juquinha?

Eu tô aqui pra quê?
Será que é pra aprender?
Ou será que é pra sentar, me acomodar e obedecer?
Tô tentando passar de ano pro meu pai não me bater
Sem recreio de saco cheio porque eu não fiz o dever
A professora já tá de marcação porque sempre me pega
Disfarçando, espiando, colando toda prova dos colegas
E ela esfrega na minha cara um zero bem redondo
E quando chega o boletim lá em casa eu me escondo
Eu quero jogar botão, vídeo-game, bola de gude
Mas meus pais só querem que eu “vá pra aula!” e “estude!”
Então dessa vez eu vou estudar até decorar cumpádi
Pra me dar bem e minha mãe deixar ficar acordado até mais tarde
Ou quem sabe aumentar minha mesada
Pra eu comprar mais revistinha (do Cascão?)
Não. De mulher pelada
A diversão é limitada e o meu pai não tem tempo pra nada
E a entrada no cinema é censurada (vai pra casa pirralhada!)
A rua é perigosa então eu vejo televisão
(Tá lá mais um corpo estendido no chão)
Na hora do jornal eu desligo porque eu nem sei nem o que é inflação
– Ué não te ensinaram?
– Não. A maioria das matérias que eles dão eu acho inútil
Em vão, pouco interessantes, eu fico pu..
Tô cansado de estudar, de madrugar, que sacrilégio
(Vai pro colégio!!)
Então eu fui relendo tudo até a prova começar
Voltei louco pra contar:

Manhê! Tirei um dez na prova
Me dei bem, tirei um cem e eu quero ver quem me reprova
Decorei toda lição
Não errei nenhuma questão
Não aprendi nada de bom
Mas tirei dez (boa filhão!)

Quase tudo que aprendi, amanhã eu já esqueci
Decorei, copiei, memorizei, mas não entendi
Quase tudo que aprendi, amanhã eu já esqueci
Decorei, copiei, memorizei, mas não entendi

Decoreba: esse é o método de ensino
Eles me tratam como ameba e assim eu não raciocino
Não aprendo as causas e conseqüências só decoro os fatos
Desse jeito até história fica chato
Mas os velhos me disseram que o “porque” é o segredo
Então quando eu num entendo nada, eu levanto o dedo
Porque eu quero usar a mente pra ficar inteligente
Eu sei que ainda não sou gente grande, mas eu já sou gente
E sei que o estudo é uma coisa boa
O problema é que sem motivação a gente enjoa
O sistema bota um monte de abobrinha no programa
Mas pra aprender a ser um ingonorante (…)
Ah, um ignorante, por mim eu nem saía da minha cama (Ah, deixa eu dormir)
Eu gosto dos professores e eu preciso de um mestre
Mas eu prefiro que eles me ensinem alguma coisa que preste
– O que é corrupção? Pra que serve um deputado?
Não me diga que o Brasil foi descoberto por acaso!
Ou que a minhoca é hermafrodita
Ou sobre a tênia solitária.
Não me faça decorar as capitanias hereditárias!! (…)
Vamos fugir dessa jaula!
“Hoje eu tô feliz” (matou o presidente?)
Não. A aula
Matei a aula porque num dava
Eu não aguentava mais
E fui escutar o Pensador escondido dos meus pais
Mas se eles fossem da minha idade eles entenderiam
(Esse num é o valor que um aluno merecia!)
Íííh… Sujô (Hein?)
O inspetor!
(Acabou a farra, já pra sala do coordenador!)
Achei que ia ser suspenso mas era só pra conversar
E me disseram que a escola era meu segundo lar
E é verdade, eu aprendo muita coisa realmente
Faço amigos, conheço gente, mas não quero estudar pra sempre!
Então eu vou passar de ano
Não tenho outra saída
Mas o ideal é que a escola me prepare pra vida
Discutindo e ensinando os problemas atuais
E não me dando as mesmas aulas que eles deram pros meus pais
Com matérias das quais eles não lembram mais nada
E quando eu tiro dez é sempre a mesma palhaçada

Manhê! Tirei um dez na prova
Me dei bem, tirei um cem e eu quero ver quem me reprova
Decorei toda lição
Não errei nenhuma questão
Não aprendi nada de bom
Mas tirei dez (boa filhão!)

Quase tudo que aprendi, amanhã eu já esqueci
Decorei, copiei, memorizei, mas não entendi
Quase tudo que aprendi, amanhã eu já esqueci
Decorei, copiei, memorizei, mas não entendi

Encarem as crianças com mais seriedade
Pois na escola é onde formamos nossa personalidade
Vocês tratam a educação como um negócio onde a ganância, a exploração, e a indiferença são sócios
Quem devia lucrar só é prejudicado
Assim vocês vão criar uma geração de revoltados
Tá tudo errado e eu já tou de saco cheio

Agora me dá minha bola e deixa eu ir embora pro recreio

Juquinha você tá falando demais assim eu vou ter que lhe deixar sem recreio!
Mas é só a verdade professora!
Eu sei, mas colabora se não eu perco o meu emprego

Emprego??? Até o próximo post.

Anúncios